Sicoob Sistema Crediminas sob nova direção

Sicoob Central Crediminas e Sicoob FGD empossam novos Conselhos de Administração e Diretoria Executiva

No final de junho, o Sicoob Central Crediminas e o Sicoob FGD renovaram seus dirigentes.

Em uma sessão solene no auditório da Central, foram empossados conselheiros de Administração e diretores executivos para o novo mandato e conselheiros de Administração do Sicoob FGD.

“Hoje renova-se um processo do Sicoob Sistema Crediminas, com a entrada de novos conselheiros na Central e no Sicoob FGD e, a continuação do trabalho do trabalho dos diretores executivos, com a novidade da instituição da terceira Diretoria, fruto de um processo democrático e transparente”, afirmou Geraldo Souza Ribeiro Filho.

Na solenidade, compuseram a mesa de honra o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Central Crediminas, Geraldo Souza Ribeiro Filho; o vice-presidente da Central (que concluiu ontem o mandato) Ivan lemos Brandão; o diretor-presidente do Sicoob Central Cecremge e vice-presidente do Sistema Ocemg/Sescoop, Luiz Gonazaga viana Lage ; o presidente da FAEMG, Roberto Simões; a assessora do Sistema Ocemg/Sescoop Isabela Perez e o ex-presidente do CA da Central, Heli de Oliveira Penido.

Conselho de Administração do Sicoob Central Crediminas:
•Geraldo Souza Ribeiro Filho – Sicoob Agrocredi – presidente
•João Batista Bartoli de Noronha – Sicoob Credicaf
•João Pinto de Oliveira – Sicoob Credivertentes
•Iesser Cunha Lauar – Sicoob Credijequitinhonha
•José Pedro Garcia Reis – Sicoob Credivar
•Júlio Cézar Aguiar – Sicoob Credivag
•Reginaldo Dias Machado – Sicoob Frutal
•Vitor Hugo Gomes – Sicoob Crediara
•Júlio Cézar Ribeiro de Andrade – Sicoob Credifor

Diretores-superintendentes  da Central

•Elson Rocha Justino
•Jesus Ferreira de Carvalho
•Wagner Luiz Silva

Conselho de Administração do Sicoob FGD:

•Geraldo Souza Ribeiro Filho – Sicoob Agrocredi – presidente
•Júlio Cezar Aguiar Diniz  – Sicoob Credivag
•Reginaldo Dias Machado – Sicoob Frutal
•Valdei Costa Barbosa – Sicoob Carlos Chagas
•Júlio Cézar Ribeiro Andrade – Sicoob Credifor

Segurança de cooperativas de crédito é discutida em audiência pública na ALMG

Atendendo a um pedido do presidente do Conselho de Administração do Sicoob Central Crediminas, Geraldo Souza Ribeiro, o deputado Antônio Carlos Arantes solicitou audiência  pública da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O objetivo foi cobrar providências urgentes do Governo Pimentel contra os ataques e investidas criminosas às cooperativas de crédito no Estado.

Além das explosões de caixas eletrônicos e roubos à mão armada, as instituições financeiras do interior do Estado têm sofrido com o sequestro dos seus funcionários. Ao se tornar preocupação contínua, a Comissão de Segurança Pública discutiu nesta terça-feira (5), os prejuízos causados por ataques criminosos em Minas Gerais, além de debater ações de inteligência e prevenção a explosões, roubos a mão armada, sequestros, arrombamentos e outros crimes em agências de cooperativas de crédito mineiras.

Representantes do segmento, inclusive com a participação do Sicoob Sistema Crediminas, levaram à Assembleia Legislativa de Minas Gerais pedidos de solução dessa realidade. A audiência pública contou com a presença das forças policiais, da alta cúpula da Polícia Civil, sobretudo da área anti-sequestro que falaram sobre as ações que têm sido desenvolvidas para resolver o problema.

A parceria com a Polícia Civil de São Paulo foi um dos pontos destacados pelo superintendente de investigação e polícia judiciária da Polícia Civil de Minas Gerais, Carlos Capistrano. Segundo ele, a região que tem enfrentado mais problemas é o Sul do Estado e a razão seria a atuação da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), que tem origem em São Paulo.

Com esse trabalho articulado, Carlos afirmou que, apesar das deficiências em estrutura e equipamentos, a polícia mineira tem conseguido alguns resultados positivos. Um dos destaques, para ele, é a redução em mais de 40% das explosões de caixas eletrônicos de 2017 para 2018.

Por outro lado, ele admitiu que outras modalidades de crimes têm aumentado, como os sequestros de funcionários. “Apesar disso, também tivemos muitas investigações e prisões. No ano passado, 278 pessoas foram presas ou conduzidas às delegacias. Neste ano, até maio, já foram 133 pessoas”, disse.

Essas prisões estariam sendo acompanhadas, ainda segundo o representante da Polícia Civil, de apreensões de armamentos pesados. Segundo ele, muitas das armas não são fabricadas no Brasil. Por isso, ele reforçou a necessidade de se fiscalizar melhor a entrada desses equipamentos no País.

Nesse sentido, o representante da Polícia Rodoviária Federal, Walder Nascimento Vieira, afirmou que a corporação tem feito investimentos maciços em tecnologia e inteligência para mapear as rotas utilizadas pelos criminosos. Ainda de acordo com ele, as informações têm sido compartilhadas com outras instituições de segurança.

O presidente do Conselho de Administração do Sicoob Central Crediminas, Geraldo Souza Ribeiro ressaltou o quanto as cooperativas têm ficado apavoradas com essa realidade e que há a necessidade de mobilizar autoridades, polícias civil e militar e todo o setor para combater esta falta de segurança pública que deixa as instituições e população amedrontadas. Ele ainda ressalta que é necessário apoiar  representantes do cooperativismo como o deputado Antônio Carlos Arantes, que levam um assunto tão delicado e importante às esferas maiores para uma discussão mais abrangente.

Para abrir a audiência, o deputado Antônio Carlos Arantes afirmou que discutir esse assunto tornou-se imprescindível por presenciar a violência ocorrida no sul de Minas, o pânico que os moradores passam, assim como as instituições financeiras diante a tantos ataques criminosos. “As quadrilhas atacam os bancos, casas lotéricas, cooperativas, assim as cidades ficam sem dinheiro, principalmente as cidades menores, em que as pessoas, devido a inoperância das agências afetadas, têm que se deslocar uns 50 Km para sacar dinheiro. Conversando com o Sicoob Central Crediminas, o Sistema Ocemg e demais cooperativas, percebi que o setor tem passado por experiências de vulnerabilidade, enquanto o governo não tem tomado providências. Por isso, temos que apresentar formalmente essa queixa às autoridades e ao conhecimento público para que haja solução para esta insegurança. O governo deve investir no policiamento das cidades, sobretudo das pequenas, para que haja uma segurança eficaz para toda a população”, ressaltou.

Para instituições financeiras, segurança privada não é solução

Sequestros assustam funcionários de cooperativas de crédito
Os representantes de instituições financeiras que estiveram presentes na reunião ressaltaram que o aumento considerável dos sequestros tem dificultado a contratação de funcionários nos municípios menores.O diretor superintendente do Sicoob Central  Crediminas, Elson Rocha Justino, ressaltou, ainda, que as ações são orquestradas e que os integrantes das quadrilhas são fortemente armados.

Ele se disse indignado com a sugestão que tem recebido de várias pessoas, de melhorar a segurança privada. “Se um batalhão inteiro da Polícia Militar não consegue fazer frente aos bandidos, como um guardinha de plantão vai fazer?”, questionou. Para ele, o problema é de segurança pública, não privada.

O deputado Sargento Rodrigues (PTB), presidente da comissão, afirmou que o problema tem crescido em Minas Gerais em função da redução dos orçamentos das Polícias Civil e Militar. Ele defendeu a autonomia financeira dessas instituições e disse que é preciso acabar com a ingerência política, feita muitas vezes, segundo o parlamentar, com subsequentes trocas nos comandos.

A ausência de representantes da Polícia Militar na reunião também foi criticada pelo deputado

“Política de perfumaria” foi como o deputado Cabo Júlio (PMDB) chamou as soluções que a Polícia Militar tem oferecido ao problema das instituições financeiras no interior mineiro. Segundo ele, o que tem sido feito é colocar um policial com uma viatura na frente dos bancos ao longo da noite, o que poria em risco a vida do servidor e não seria eficiente na solução do problema.

O deputado Antônio Carlos Arantes concordou e ressaltou que a população tem sido prejudicada pela falta de segurança. “Moradores de cidades como Cássia (Sul de Minas) precisam andar 50 quilômetros para sacar seu dinheiro no banco”, exemplificou. Ele também defendeu a criação de delegacias regionais especializadas em roubos no campo.

Lares Geraes – Durante a reunião, também foi aprovado requerimento para a realização de nova audiência pública, dessa vez para debater a situação dos moradores das unidades residenciais do programa Lares Geraes.

O pedido foi do deputado Sargento Rodrigues. Segundo ele, alguns dos policiais beneficiados pelo programa receberam ordens judiciais de despejo. O parlamentar lembrou que muitas das dificuldades para manter em dia os pagamentos dos imóveis estão relacionadas aos parcelamentos de salários dos servidores.

Clique aqui e confira o resultado da reunião.

Adeus a Alberto Ferreira

O presidente do Conselho de Administração do Sicoob Central Crediminas, Alberto Ferreira, faleceu no dia 20 de janeiro, em um acidente de automóvel em Governador Valadares (MG).

Líder cooperativista deixa legado de sucesso

O líder cooperativista, desde cedo se comprometeu a concentrar sua energia, empenho, propósitos e inteligência para desenvolver o cooperativismo mineiro e continuar o trabalho de grandes líderes que o antecederam, aos quais ele sempre se referia com respeito e admiração.

Alberto Ferreira nasceu em berço cooperativista. Ainda em 1911, em Virginópolis, então distrito de Guanhães, foi fundada a Cooperativa Agrícola de Guanhães. Entre seus fundadores estavam seus familiares: avô, bisavô, tios, além de um tetravô.
O pai de Alberto Ferreira, Cantídio Ferreira da Silva, recém-casado, instalou-se em Governador Valadares em 1938, inicialmente como comerciante e, posteriormente, dedicou-se à pecuária. Nesta atividade, desenvolveu legendária atuação, tendo sido em 1959, um dos fundadores da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce. Por meio do exemplo de liderança séria, justa e dedicada, de seu pai, Alberto Ferreira o tomou como exemplo e seguiu seus passos.

Buscou formação em medicina veterinária e, logo em 1982, elegeu-se conselheiro de Administração da cooperativa agropecuária, exercendo por dois mandatos os cargos de diretor-financeiro e comercial. Desejando alçar voos mais destacados e buscando o desenvolvimento socioeconômico local, agrupou grandes personalidades respeitadas da região para instituir a Cooperativa de Crédito Rural do Vale do Rio Doce, isso em 1992. Desde então, Alberto Ferreira exerceu funções na direção e nos Conselhos da cooperativa, passando a ser diretor-presidente em 2000, quando teve a honra de substituir, o grande líder Luiz de Castro Cortes.

Tão logo instituída, a cooperativa de crédito de Governador Valadares, hoje Sicoob Crediriodoce, filiou-se à então incipiente Cooperativa Central de Crédito Rural de Minas Gerais, o Sicoob Central Crediminas.
Relacionando-se e atuando no cooperativismo de crédito mineiro, em 1993, por indicação de Heli de Oliveira Penido, Alberto Ferreira tornou-se conselheiro e também diretor da Central. Ao longo de sua trajetória cooperativista e relacionamento com entidades e autoridades do cooperativismo, foi convidado a exercer cargos de direção em outros órgãos como Sistema Ocemg, Sicoob Confederação, Bancoob.

Durante sua caminhada profissional de representatividade política, Alberto Ferreira sempre lutou para destacar de forma consistente e positiva a importância do cooperativismo e do produtor mineiro. Sendo assim, ele também integrou por 15 anos, a Diretoria da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais – FAEMG, na época, presidida por Gilman Viana Rodrigues.

Ao atuar em várias frentes e entidades de classe, Alberto Ferreira construiu sua experiência convivendo com renomadas autoridades das áreas econômica, social e política de Minas Gerais. Moldando a sua imagem com perseverança, sabedoria, vanguardismo e sobretudo profissionalismo.

Em seu discurso de posse como presidente do Conselho de Administração do Sicoob Central Crediminas, Alberto Ferreira, agradeceu a um dos amigos de seu pai, que esteve ao seu lado na fundação do Sicoob Crediriodoce, Eurídes Inácio de Lima, a quem ele atribuiu ser uma figura disciplinadora que o auxiliou a abrandar seus ímpetos juvenis, por meio de conselhos, além de orientá-lo a fim de aprimorar sua postura profissional.

Em sua trajetória no Sicoob Central Crediminas, ele sempre reverenciou as personalidades que nortearam o desenvolvimento do Sistema e, sobretudo, das cooperativas filiadas, com seus grandes líderes e inúmeras batalhas que levaram o Sicoob Sistema Crediminas ao centro de destaque do cooperativismo de crédito brasileiro e manteve em toda a sua gestão o Sistema de forma coesa e com a marca da credibilidade e do reconhecimento.

Além das personalidades que se relacionaram e foram companheiras de Alberto Ferreira, ele sempre ele agradecia à sua família. Em seus discursos, nos incontáveis eventos que participou ou que foi anfitrião, ele ressaltava a importância dos seus familiares. À Yasmine e à Isadora, ele sempre agradecia a acolhida amorosa; aos filhos Ludmilla, Ana Carolina e Alberto Cantídio ressaltava o amor e a união em que viviam e à esposa Mara, reconhecia a dedicação e o companheirismo, sempre reafirmando a importância dessa convivência para ser uma pessoa melhor.

                      Alberto Ferreira em frente à sede do Sicoob Central Crediminas, em Belo Horizonte/MG.

 

Líder engajado

Em sua trajetória cooperativista, Alberto Ferreira, vivenciou muitas batalhas e ressaltava que nesta década, o tão esperado futuro do cooperativismo batia à porta. O crescimento pelo segmento tornou-se espetacular, a ponto de ter reconhecimento nacional, por meio não apenas da sociedade, mas de autoridades governamentais e pela conquista de importantes marcos regulatórios. Vitórias de lutas cruciais ao cooperativismo, muitas delas, lideradas pelo seu grande mestre, Heli de Oliveira Penido.

Dentre as conquistas, Alberto Ferreira destacava a Lei Complementar 130, sancionada em abril de 2009, que deu mais visibilidade ao sistema cooperativista de crédito brasileiro e, trouxe em seu bojo, a promessa de alterar definitivamente a maneira como as cooperativas de crédito se posicionam em relação ao mercado financeiro, com novas expectativas de expansão e crescimento.

Outra conquista vista por Alberto Ferreira, foi logo no início de 2018, a Lei Complementar 161, sancionada em janeiro, que autoriza as cooperativas de crédito a captarem recursos de municípios. Aliás, à frente do Conselho de Administração do Sicoob Crediriodoce, o presidente já estava com sua equipe trabalhando para atuar sob esse novo regime, com o objetivo de proporcionar ainda mais progresso à região do Vale do Rio Doce.

 

Líder vanguardista

Alberto Ferreira sempre buscou formação qualificada para conduzir com maestria seus trabalhos e se aperfeiçoar constantemente como liderança cooperativista. Sua gestão foi marcada por incentivo constante à profissionalização das equipes das cooperativas filiadas e de todos os profissionais do Sistema.

Como dirigente de grande destaque no cenário nacional, Alberto Ferreira, constantemente buscava lapidar a sua formação, conhecendo modelos internacionais, ele os classificava como mais maduros por conta de sua origem centenária. Participava ativamente de missões para interagir com os sistemas cooperativistas do Canadá, França, Estados Unidos, Alemanha, Portugal, dentre outros países, sobretudo, os europeus, além de incursões pelo Brasil para aprender e apresentar a outros líderes, novos conceitos e boas práticas no cooperativismo.